Archive for Julho, 2008

h1

Porque Foste (Poema)

Julho 29, 2008

LEIA POETA SILAS: Porque Foste
Porque foste o trevo de quatro folhas na vida de alguémPorque deste os melhores anos de tua via a este alguémPorque foste o melhor ser humano que este alguém teu conheceuPorque a lágrima se soma com a luz e a vida num hidrogênio cósmicoEntão baby, por que não sabes o que és sendo tanto?Lavar estradas de tijolos amarelos não é todo santo dia-Veja que há passos na linha o horizonte.O que vais fazer de ti, com o que te é revelado agora?Tua vida é um salmo de estrelas binárias.Olha e vê: em ti há um caminho espiritual e ainda muito além do solQue revela o segredo da vida.Quer maior pertencimento de seres tanto e tudo para alguémPara a vida, para o mundo, para os que te amam, para você mesmo?-Reflete e brilha!Plana e Voa!-0-Silas Correa Leite, Estância Boêmia de ItararéE-mail: poesilas@terra.com.br Site: www.itarare.com.br/silas.htmBlogues: www.artistasdeitarare.zip.net OUwww.portas-lapsos.zip.net ou: www.campodetrigocomcorvos.zip.net

Anúncios
h1

Quase Currículo Silas Correa Leite

Julho 26, 2008

Eu de Mim Mesmo (Um Poeta Passado a Limpo Ainda é Húmus)
não nasci no guarujá. não tenho nome bonito ou importante. não sou professor universitário. não consegui conciliar nada com a literatura. nunca publiquei em grande editora do eixo rio-sp. não resido no rio de janeiro. não me chamo joão ubaldo ribeiro. não escrevo pra faturar. não estou organizando meu ultimo livro. não sou graduado em letras ou jornalismo. não acredito que a poesia seja mais necessária do que o pão ou a cerveja preta. não fiz pedagogia ou artes. não colaboro em nenhum suplemento cultural importante de brasília. não estou presente em movimentos culturais da minha terra. não sou membro da academia brasileira de letras. não sou neomaldito por acaso. não trabalho como assessor cultural de algum aspone. meus pais não foram ligados ao cinema alternativo. não tenho tema preferido, aliás, um não-tema seria o ideal num poema dadaísta. não comecei a fazer teatro aos treze anos. nunca me especializei em literatura hispano-americana. não tenho crônicas publicadas em nenhum jornal de lisboa. não passei a minha primeira infância em campos do jordão. não canto a esperança, aliás, com minha ficção-angústia canto em versos os gritos das ruas, porque ainda restam as ruas para os fracos e oprimidos. não vejo poesia em tudo. não faço parte do grupo de poetas neoconcretistas de são paulo. não me interesso por ficção científica. não sou casado porque sou contra o casamento e acho que mulher deve casar e homem não. na minha estréia não recebi prêmio nenhum. o crítico josé neumanne pinto nunca disse nada importante a meu respeito. não sofri influência do castro alves. não me dedico à pecuária ou a exportação de pedras preciosas. não servi o exército porque tinha pé chato e piolhos no sovaco cor de mortadela de soja. não consto em nenhuma antologia de poetas lusonautas editada na frança. não gosto de arqueologia lunar. nunca tentei compreender a mulher na sua totalidade. não gosto de ostras. não tive limões mas fiz limonadas de lágrimas. não sou flamengo e nem tenho uma nega chamada risoleta. não aprendi alemão para ler filosofia. não sou virgem sou leão-dragão. não me responsabilizo pelo que escrevo. não deixarei impune o legado da minha visão da miséria humana. não sei exatamente o que aconteceu na semana de arte de 22. não sei dirigir e nem sei pescar ou trocar lâmpadas – minha musa-vítima é que troca tudo, até o courinho da torneira (espero que nunca me troque por uma bicicleta ou um abajur lilás). não sei o que vocês querem de mim. não tenho nenhuma verdade, aliás, tenho zilhões de perguntas. não fumo, não tomo coca cola e não sei nadar. não sei se o que tenho realmente me pertence. não escrevi isto que vocês estão lendo. silas corrêa leite – Site: http://www.itarare.com.br/silas.htm E-mail: poesilas@terra.com.br